Dia 8 de março é o Dia Internacional da Mulher, data símbolo de uma série de conquistas de direitos femininos, sobretudo no âmbito trabalhista.

Então, para comemorar, o ChefsClub listou 5 chefs brasileiras super poderosas:

Helena Rizzo

A chef Helena Rizzo é uma gaúcha que já foi modelo e estudou arquitetura, mas não se formou. Para nossa sorte, preferiu construir carreira na gastronomia e se tornou um dos maiores nomes femininos do Brasil nessa área.

Aos 18 anos, decidida a experimentar a vida fora da casa dos pais, Helena mudou-se para São Paulo. Enquanto fazia alguns trabalhos como modelo, foi garçonete da banqueteira Neka Menna Barreto e estagiou na cozinha dos restaurantes Roanne e Gero. E depois não parou mais: passou por restaurantes pela Itália e Espanha, conheceu seu marido e sócio Daniel Redondo, voltou para São Paulo e abriu o Maní.

Em 2013, o Maní ficou em 46º lugar na lista dos 50 melhores do mundo da revista Restaurant, que deu a Helena o troféu de melhor chef mulher da América Latina. Uau!

Roberta Sudbrack

A Roberta Sudbrack já vendeu hot dog nas ruas em Brasília, estudou veterinária nos Estados Unidos e não terminou o curso para voltar para o Brasil e se dedicar à gastronomia.

Foi chef de um restaurante que levou seu nome, no Rio de Janeiro, especializado na cozinha contemporânea, recebendo uma estrela no Guia Michelin e fazendo parte da lista dos 50 melhores restaurantes da América Latina pelo guia.

Em 2015, Roberta foi eleita a melhor chef mulher da América Latina, abriu o Da Roberta, uma casa de sanduíches, e também comandou o Sud Truck, um food truck que vendia um cachorro-quente dos deuses!

Acha que acabou? Que nada! Ela também chegou a ser a chef da cozinha do Palácio da Alvorada durante a gestão do presidente Fernando Henrique Cardoso.

Giovanna Grossi

A Giovanna é uma alagoana formada em gastronomia pela faculdade Anhembi Morumbi, de São Paulo.

Quando terminou a graduação, a chef foi estudar na França e trabalhou em casas famosas, como a Quique Dacosta, que fica em Alicante (Espanha) e está entre os 50 melhores restaurantes do mundo pela lista World’s 50 Best Restaurants.

Em 2015, Giovanna enviou uma receita para disputar a etapa brasileira do Bocuse d’Or, a mais prestigiada competição gastronômica mundial, e foi a primeira mulher a vencer a fase nacional do concurso. O ouro garantiu a vaga para a etapa latino-americana, em 2016, no México, onde ela conseguiu o topo do pódio e o passaporte para o mundial, na França.

Em janeiro de 2017, participou da final internacional da 30ª edição do Bocuse d’Or e se tornou a primeira brasileira a disputar a última etapa do maior concurso gastronômico do mundo. Que orgulho!

Janaína Rueda


A chef Janaina Rueda é uma autêntica paulistana nascida no Brás. Formada em gastronomia, foi consultora de vinhos na multinacional Pernod Ricard e, em 2008, conseguiu realizar o sonho de abrir o Bar da Dona Onça, também em São Paulo.

A premiada casa foi eleita como melhor bar da Veja São Paulo Comer & Beber em 2008 e 2009, além de receber o troféu de bar do ano na edição de Melhores do Ano, da Revista Prazeres da Mesa, em 2009, e o de melhor feijoada no ranking Melhor de São Paulo 2010-2011, da revista Época São Paulo.

Ana Luiza Trojano

Vindo do interior de São Paulo, Ana Luiza Trajano se formou em administração pela FAAP, mas depois fez as malas e viajou para estudar gastronomia na Itália.

Quando retornou ao Brasil, em 2003, a chef Ana Luiza começou a procurar ingredientes e receitas de diferentes regiões do país e, em 2006, inaugurou o restaurante Brasil a Gosto, em São Paulo.

Em 2012, ela levou o prêmio Paladar, do jornal O Estado de São Paulo, na categoria Trivial, e, no final de 2013, seu trabalho deu origem ao livro “Cardápios do Brasil”, com receitas e experiências culinárias do nosso país. Além de comandar a cozinha do restaurante, ela é também curadora da pós-graduação em gastronomia brasileira do SENAC.

Parabéns para nossas super chefs e para todas as mulheres!

Comments

comments